Notícias

2ª Edição do conteúdo da Live exibida dia 22/04 – Biossegurança para o Cirurgião-Dentista em tempos da Covid-19

live-2-edicao-coronavirus-abopr-biosseguranca-interna

1 – Como deve ser a paramentação do Cirurgião-Dentista em tempos de pandemia?

A dificuldade é identificar o paciente que tem Covid-19, já que muitos são assintomáticos. A Anvisa recomenda um pacote de medidas de proteção para o profissional que vai atender ao paciente em urgência ou emergência odontológica que tenha coronavírus ou suspeita de estar contaminado: evitar o aerossol, usar máscara n95, avental descartável e higienização de materiais e superfícies a cada atendimento. Se o paciente não tem suspeita, a recomendação é usar óculos de proteção, máscara cirúrgica, gorro, luvas e avental, ou seja, seguir a precaução padrão. É importante entender que o uso de EPI’s protege o profissional mas o atendimento de pessoas com Covid-19 contamina o ambiente e põe em risco todos os outros pacientes. Após atender um paciente com Covid-19 é necessário desinfetar todo o ambiente para que o próximo paciente não seja exposto. Além de permitir um intervalo mínimo de duas em duas horas para ventilar o ambiente.

2 – Qual o produto recomendado para desinfecção do consultório?

O coronavírus é muito sensível a agentes químicos. Água e sabão são altamente eficazes na falta de outro produto. O Surfic, usado em ambiente hospitalar, é um desinfetante biodegradável, pouco tóxico, fácil de manejar, não danifica os materiais e não tem odor forte. Encontra-se em lojas de materiais médicos. Outras alternativas eficazes são o álcool 70%, o hipoclorito a 1% – um pouco mais irritante, deixa odor de cloro – e o ácido peracético que também tem um pouco de odor.




Mais notícias